16/05/2020

BOLSAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE SEGUEM EM ATRASO

A Associação dos Médicos Residentes do Estado de São Paulo (AMERESP) entende que a situação de atraso no pagamento das bolsas de residência financiadas pelo Ministério da Saúde se tornou insustentável. A cada semana é apresentado um novo prazo por parte do Ministério e os colegas seguem trabalhando de graça, sem condições de arcar com suas despesas básicas. Cientes de que não é possível conciliar a carga horária da residência médica com plantões extras para obter sustento, orientamos os colegas que ainda não receberam a paralisarem suas atividades até que os valores devidos sejam quitados pelo Ministério da Saúde.

É fundamental para a garantir a segurança jurídica dos residentes que a paralisação seja comunicada formalmente à COREME e ao Conselho Regional de Medicina com 72 horas de antecedência e que seja garantida escala mínima (1/3 do número habitual de residentes) nos setores de urgência, emergência e UTI.

Modelo de documento a ser utilizado para comunicar a paralisação pode ser encontrado aqui. Preencher, enviar por e-mail à COREME, com cópia para dir@cremesp.org.br, ameresp@gmail.com e anmr@anmr.org.br.

No dia 17 de maio de 2020 foi elaborado pela AMERESP e enviado à CEREM-SP com solicitação para encaminhamento a todas as COREMEs do Estado o Ofício Circular nº 2/2020-AMERESP, com orientações às COREMEs sobre o movimento de paralisação. Confira o documento aqui.